Olá, mundo!
22 de março de 2015
Carrapatos? Existe solução!
29 de março de 2015

Esse bicho come o quê, Doutor?

Essa é normalmente a primeira pergunta que nós Médicos Veterinários especialistas em animais silvestres e exóticos ouvimos no consultório. E esta é uma das perguntas mais importantes a serem feitas por quem opta a ter esses animais como seus bichos de estimação.  Já adiantando a resposta: Não, o papagaio não come só semente de girassol. A tartaruga não come somente alface e tomate. O lagarto não come apenas carne moída.

Nos últimos anos a escolha de animais exóticos como pets vem crescendo muito.  A aquisição de periquitos, papagaios, tartarugas, lagartos, serpentes, chinchilas, pequenos roedores como hamster entre outros, são uma pequena amostra da variedade de animais que chegam aos nossos consultórios doentes. A principal causa dessas doenças é basicamente uma deficiência nutricional. Estatisticamente falando, mais de 50% dos casos clínicos tem origem na deficiência nutricional.
A primeira coisa que o proprietário deve fazer quando pensar em adquirir um animal de qualquer classe é conhecer as suas necessidades básicas, como por exemplo: Que tipo de comida eu dou para o meu animal? Como apresento esse alimento a ele? O recinto em que vou colocá-lo, como devo montar? Que tipo de atividades podemos e/ou devemos desenvolver com ele?

Uma segunda preocupação que o futuro proprietário deve ter é a de que nem todos os animais da mesma classe (mamíferos, répteis, aves, por exemplo) se alimentam necessariamente do mesmo tipo de comida. Isso mesmo, nem todo pássaro come semente, nem todo lagarto se alimenta exclusivamente de carne, nem todo roedor come amendoim. A variedade de espécies é tão grande quanto à variedade de alimentos que esses animais podem comer. Um pequeno exemplo está nas aves, pois temos aves que se alimentam basicamente de sementes e outras que possuem na sua dieta rica em frutas.

Quando adquirimos um animal, ele passa a depender estritamente de nós para alimentá-lo, limpar a casa dele, levá-lo ao médico veterinário quando estiver doente. Em vida livre esses animais podem procurar todos os tipos de alimento que fazem parte de sua dieta. Se fossemos tentar reproduzir essa alimentação em cativeiro, seria bem complicado pela variedade de comida que teríamos que oferecer. Porém hoje  “Para a Noooooossa Alegria” já existe no mercado uma grande variedade de rações industrializadas, bem completas, para vários tipos de animais exóticos. Esses alimentos facilitam a nossa vida de proprietário e com certeza ajuda em muito na parte nutricional do seu pet exótico.
Lembre-se de sempre procurar um profissional capacitado para tirar todas as suas dúvidas a respeito do seu animal. Um animal bem alimentado é sinônimo de um animal bonito e saudável. E mais um importante lembrete: nunca adquira animais exóticos provenientes de tráfico. Eles provavelmente sofrerão muito até chegar as suas mãos e muitos deles nem conseguirão chegar as mãos de ninguém, pois, infelizmente, morrerão.
Boa escolha e um grande abraço!
Médico Veterinário Rafael Gaulia (Pós graduado em Clinica e Cirurgia de Animais Silvestres e Exóticos.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *